Energia e Numeros ©

 Dra. M. Angelica Fonseca K.

ROCCALBEGNA – 2014

ESTE MATERIAL PODE SER UTILIZADO E REPRODUZIDO DESDE  QUE A FONTE ORIGINAL SEJA CITADA

Significado dos Numeros

No nosso mundo cotidiano os numeros tem apenas um significado de quantidade, nos ajudam a efetuar transações comerciais.

Na antiguidade os numeros de 1 a 10 eram vistos de forma diferente. Cada um deles representava um principio e esses conceitos eram utilizados para se entender a energia que permeia e sustenta aquilo que se manifesta como vivente ou parte do universo.

A cada numero correspondia uma forma geometrica regular em duas ou tres dimensões. Quando nos referimos aos numeros com relação as suas qualidades utilizamos uma nomenclatura  diferente. Assim, o numero 1 é chamado de Monada, o 2 de Diada, o 3 de Triada e assim por diante.

A Monada, ou o numero 1, que é representada pelo circulo (duas dimensões) ou pela esfera (tres dimensões) representa a Unidade . Da minha experiencia com a qualidade dos numeros dentro da geometria sagrada me permito afirmar que a Monada realmente simboliza o Uno, a Unidade, O Universo e pode ser considerada como aquilo que da origem a todos os outros numeros e as formas que eles representam. Assim, iniciamos a perceber os numeros e suas formas como simples manifestações de diferentes qualidades da Monada.

A nossa realidade é formada através daquilo que percebemos. E aquilo que percebemos esta condicionado as informações que vem através dos nossos sentidos e também aquilo que aprendemos a acreditar, a tomar como verdade.

Como nossos sentidos podem apreender apenas uma porção infima do espectro de energia e, assim, é como se estivessemos dentro de uma casa fechada e apenas pudessemos perceber o mundo atraves de algumas janelas. Os objetos parecem fixos. Vemos um botão de rosa hoje e mesmo que estivessemos tres dias em seguida a olhar pra ele não perceberiamos o seu desabrochar. Vemos „fotos“ da realidade, mas não a realidade em si. Isso é um grande handicap e a causa de muitos enganos, pois „tudo“ esta em movimento e em transformação, o tempo todo.

E possivel se abordar os numeros como formas transitorias de percepção da realidade. E, assim, iniciar um percurso de maior compreensão de como“tudo“ esta em fluxo e interconectado. E por paradoxal que pareça, a geometria – que parece inicialmente ser o que de mais „fixo“ e cristalizado que existe é algo que pode nos ajudar a obter a percepção do fluxo e também a perceber o pensamento linear.

Para iiniciar vamos nos limitar inicialmente a considerar os numeros e suas formas correspondentes em apenas duas dimensões.

Desenhar manualmente, usando o compasso, regua e lapis é, do meu ponto de vista, essencial! 🙂

Pontos Importantes ao se desenhar

Os tres instrumentos básicos que iremos utilizar: compasso, esquadro e lápis são muito antigos, e foram encontrados em várias formas em muitas culturas. Faça um esforço para desenvolver uma atitude própria ao desenhar e procure se lembrar dos seguintes pontos:

  • Procure estar atento em cada ação que voce realiza durante o desenhar, sendo consciente de cada passo.
  • Se voce não apagar os erros com o borracha voce irá se conscientizar de que com prática e tempo voce irá desenhar cada vez melhor.
  • Independente de estar usando um compasso de metal ou uma corda atada à um pedaço de madeira, esses instrumentos simbolisam atributos divinos. Trate-os com respeito.

COMPASSO – Ao fazer um círculo segure o compasso na sua extremidade superior, não na sua perna, para evitar que o circulo saia imperfeito. Desenhe cada circulo numa rotação completa, sem exitar. Sempre que possível complete todos os arcos para poder ver o padrão completo de forças.

ESQUADRO – Quando círculos se intersectam, pontos de energia são criados. O esquadro nos possibilita passar linhas entre esses pontos, revelando assim padrões de energia entre eles.Quando for passar uma linha, coloque seu lapis num ponto dos pontos e coloque o esquadro, levando ao segundo ponto. Coloque então o lápis no segundo ponto para verificar se está correto. Segure o esquadro firmemente e trace a linha na sua direção em uma vez. Imagine a linha que emerge como um caminho por onde a energia passa.

LAPIS – Mantenha a ponta afiada. O lápis e o papel traduzem a energia em simbolos que são então acessiveis à nossa visão.

Monada

A palavra Universo ( do latim “universus” – uma volta) também está conectada com a Monada, desde que para desenharmos nós movemos o compasso em apenas “uma volta”.

A Monada se expande à partir do se centro, da sua “semente” invisível. Ela é criada e sustentada através deste ponto, deste poder misterioso e profundo que à partir do “não manifesto” gera “tudo”, um Universo.

Todas a formas são criadas e sustentadas por esse ponto invisível, pela essencia criadora que se expande. Pode-se fazer referencia à esse misterio através das palavras, o desenhar consciente nos aproxima pouco à pouco dele.

A Unidade, o Um não era considerado como um “número”, senão como o gerador de números. Desde que 111111111 x 111111111 = 12345678987654321. considerava-se que a Monada respira no vazio  e cria todos os números subsequentes. Pegue a calculadora e confira!

Ponto

A Monada começa com o Ponto, a Essencia do círculo. Um Ponto verdadeiro é impossivel de se desenhar, porque ele não possue dimensão – ele não apresenta comprimento, profundidade ou altura.  O Ponto funciona como uma semente, dando nascimento à Monada, a geradora de todas as formas.

Desenhando o círculo

  1. Faça um ponto, mantendo-se consciente de que um ponto verdadeiro é impossível de ser desenhado, desde que ele não tem dimensão – altura, comprimento ou largura. Geometria Ideal é impossivel de ser exercida sem instrumentos materias. Entretanto, um ponto simbolisa um centro.  Quando refletimos sobre nós mesmos, qual Centro é simbolisado pelo Ponto? Ele não é físico, mas sem ele a vida não existiria. Quais seriam suas características? Um delas é a pura capacidade de se perceber, de se estar atento – a semente da nossa capacidade de estarmos atentos.
  2. Abra o Compasso. Gire-os para completar o circulo em uma volta. Voce acaba de desenhar um Uni-verso.

Agora, permanecça por alguns momentos em silencio e considere o que voce fez. Voce foi:

do Ponto para o Círculo

do “sem Dimensão” para o Uni-verso

do Nada para o Todo

Voce acabou de experienciar o Primeiro Principio da Monada como Geradora de todos as Formas, a abertura da luz, espaço, tempo e poder em todas direções.

Ciclos – Segundo Principio da Monada

O segundo principio da Monada é simbolisado em muitas culturas como uma roda, representado os ciclos da natureza, ritmos e periodos. Os ciclos mais óbvios são o da respiração, o das necessidades fisiológicas como fome e sede, por exemplo. Na Natureza o ciclo dos elementos, como o do Carbono.

Na presença de LUZ SOLAR as plantas transformam o gas carbonico + agua em carboidratos + oxigenio. Os animais e seres humanos transformam novamente os carboidratos em outros compostos que fornecem energia liberam novamente o gas carbonico e outros compostos mais simples na atmosfera e o ciclo se completa.

Considere que literalmente somos alimentados pela LUZ!

Nossos sentidos são “enganados” pelas vibrações ciclicas rápidas, de modo que diversos movimentos cíclicos como o som, odores e sabores parecem ser contínuos para as nossas faculdades de percepção. Por exemplo, quando a roda de uma bicicleta ou as laminas de um ventilador giram vagarosamente nós podemos identificar cada aro ou lâmina individualmente. Mas quando eles giram com uma velocidade maior do que 1 550 Hz ( 1 Herz é um ciclo por segundo), a roda da bicicleta e o ventilador tem a aparencia de um disco sólido.

girando mais rapido que 1 550 Hz

Olhe para qualquer objeto “solido” ao seu redor. Conscientize-se de que a aparencia da sua “superfícies” é devida aos átomos que vibram tão rápidamente que dão ao nosso sistema nervoso a impressão de uma superfície lisa. O mesmo é verdadeiro para o nosso senso de audição, que percebe apenas sons que vibram entre 10 à 16 000/20 000 Hz.

Terceiro Principio da Monada – Espaço Eficiente

O terceiro principio da monada está ligado à area da circumferencia. O Circulo contém o maior espaço, dentro do menor perimetro. Casas circulares contém o maior espaco, com a minima exposição ao tempo e utilizando a menor quantidade de materiais, tempo e energia para ser construida. As casas de alguns povos nômades, como os mongóis, que utilizam a jurta, dos esquimós e de muitos pássaros é construida utilizando este principio.

Share This
Subscribe To Our Newsletter

Subscribe To Our Newsletter

Join our mailing list to receive the latest news and updates from our team.

You have Successfully Subscribed!